internacionalização de startups

Internacionalização de Startups: O que você precisa saber



Quando se fala em internacionalização de startups, quais as grandes vantagens competitivas, e os cuidados necessários? Expandir os negócios em novos mercados, adquirir novas tecnologias , que geralmente surgem primeiro no exterior, ou captar investimento estão entre as razões para que muitas startups, quando iniciam suas operações, enxerguem na internacionalização uma oportunidade, ou mesmo a incluam em seus planos de negócio desde o início.

 

Para ajudar os empreendedores a transformar boas ideias em negócios rentáveis tanto no mercado brasileiro, como no externo, e evitar que percam tempo e dinheiro por erros de avaliação, ou dificuldades operacionais causadas por desconhecimento do mercado externo, que poderiam ser evitadas, preparamos essa postagem sobre a internacionalização de startups.

 

Startups têm vocação natural para atuar em um mundo globalizado

 

Comparadas a negócios que nasceram de uma maneira menos planejada, mais “orgânica”, startups têm a vantagem de muitas vezes já terem em seu DNA um modelo de negócios global, o que significa que para atuar em outros mercados elas precisam de poucas adaptações, em seus produtos ou serviços, o que economiza tempo e esforços.

 

 

vantagens da Internacionalização de startups

 

 

Adquirir novas tecnologias

 

Tecnologia é um grande diferencial competitivo em qualquer ramo de atuação. No caso das Startups, muitas são empresas 100% baseadas em aplicação de tecnologia, com serviços baseados em aplicativos.

Quando elas passam por um processo de internacionalização, e podem acessar os mercados externos onde boa parte dos avanços tecnológicos são gerados, elas conseguem uma grande vantagem competitiva.

 

Facilidade de exportar serviços

 

Não é novidade para ninguém que o Brasil tem uma grande desvantagem competitiva, que atinge empresas de todos os tamanhos, que é a precariedade da nossa infraestrutura logística e complexidade tributária. Mas quando se fala de empresas de tecnologia, não somente elas têm um regime de exportação de serviços específico, o REPES, como não dependem da nossa infraestrutura física.

 

 

Captar investidores estrangeiros

As startups que já nascem com o a globalização no DNA, têm maior chance de captar investidores no exterior, porque eles podem estar pensando não somente nas oportunidades oferecidas pelo mercado brasileiro, mas também na implementação do produto em outros mercados.

 

Mas para isso, nem sempre basta ter uma boa ideia ou um bom produto pronto. É importante a startup estar adequada ao sistema de trabalho desses investidores, porque eles têm regras muito rigorosas, não bastando apresentar cases de sucesso ou estimativas de lucro otimistas para conseguir recursos estrangeiros.

 

 

Constituir empresa no exterior.

 

Na condição de país emergente, o Brasil muitas vezes não é visto como um destino seguro para investimentos, por uma série de razões. E da mesma maneira que desejam o maior retorno possível, os investidores desejam mais garantias e menos riscos.

 

Então, investidores e fundos de investimento que têm um perfil mais sofisticado,  como por exemplos, os fundo soberanos, que administram recursos oriundos da riqueza de países inteiros, têm preferências, ou mesmo regras, de não realizar investimentos em mercados locais ou emergentes, optando por locais onde tenham mais confiança e estejam familiarizados com as regras.

 

Então, muitas startups de países emergentes, como estratégia de internacionalização  costumam constituir offshores em jurisdições como as Ilhas Cayman ou o estado americano de Delaware, que tem legislações favoráveis e tributação mais baixa, e os investidores internacionais se tornam acionistas diretos dessas offshores que se tornam holdings, investindo indiretamente na empresa brasileira, no nosso caso.

 

 

Cuidados a serem observados na Internacionalização de startups

Fatores culturais

Aprender sobre os costumes dos mercados em que se pretende investir, entendendo as semelhanças e diferenças culturais que possam influenciar o comportamento dos consumidores nesses mercados.

 

Línguas

Dar preferência a mercados cujas lingas faladas já sejam do domínio das pessoas da empresas. Lembre-se que são poucos os países do mundo onde se fala português. Se as pessoas de sua equipe já falam inglês, francês, espanhol ou mandarim, as  línguas de maior uso no mundo dos negócios, isso é positivo mas lembre-se de que isso só é útil para a comunicação entre executivos, com seus eventuais parceiros nesse mercado.

 

É muito importante que seu produto ou serviço esteja traduzido para as  línguas de uso local, especialmente se se tratar de um produto de tecnologia, como um aplicativo, cuja instalação e uso muitas vezes são feitas sem o auxílio de um executivo de vendas. Não economize na tradução. Se possível, envolva um falante nativo da língua do mercado para o qual você quer vender.

 

Câmbio Real x Dólar x Moeda Local

 

Preste atenção às diferenças cambiais. Dê preferência aos países onde elas são historicamente atrativas, se comparadas ao Brasil.

 

Tamanho do mercado, concorrência e potencial de vendas

Analise o tamanho do mercado, o potencial de vendas e quem são seus concorrentes diretos e indiretos. Que market share você terá de conseguir para chegar ao volume de vendas que você espera para o investimento dar retorno. E quais movimentos os concorrentes já estabelecidos no mercado podem fazer para não perder participação para você.

 

Infraestrutura e situação social, política e econômica

 

Potencial de lucro não é tudo. Existem riscos que vão além do negócio em si, como agitações políticas e sociais, ou crises econômicas. O quanto o mercado em que você quer investir está sujeito a esses acontecimentos?

 

Ter um plano de marketing

 

Se o seu objetivo é vender para outros países, a internacionalização garante apenas que você terá acesso àqueles mercados. A decisão de comprar, ou não,  seu produto ou serviço, seja ele B2B ou B2C é do consumidor. Tenha um plano de Marketing.

 

Analise o ROI (Return  on Investment) esperado, e garanta que você tem fundos suficientes para esperar o retorno do investimento acontecer.

 

Case de sucesso de internacionalização de uma startup brasileira

Existem vários casos de startups brasileiras que  se internacionalizaram, mas o mais  famoso é o da 99 Taxis, que teve seu controle acionário adquirido pela empresa chinesa Didi Chuxing, uma concorrente do Uber  em 2018 por um valor não confirmado, mas que se sabe que foi em torno de  US$ 1 bilhão, que garantiu à empresa brasileira a musculatura necessária para enfrentar seu maior concorrente.

 

Conclusão

 

Um dos fatores que fazem o sucesso de uma startup é ela oferecer ao mercado formas de as pessoas fazerem o que já fazem de uma maneira mais eficiente e barata. Ou até de uma completamente nova, criando novos usos e costumes nos consumidores.

 

Se você tem uma ideia assim, acredite nela e vá em frente. E se acredita também que mercados promissores ou investidores dispostos a acreditar na sua ideia podem estar fora das fronteiras do Brasil, não desperdice essa boa ideia. Procure a ajuda de um especialista em internacionalização.



Comments are closed.